Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Roteiro de Sabores

VINHOS BRANCOS

Paleta De Aromas E Sabores Para Todos Os Momentos Da Refeição

vinho-branco.jpg

 

Brancos Aperitivos

Os vinhos brancos aperitivos são os vinhos que despertam as papilas e estimulam o apetite para a refeição.

 

Existe uma enorme variedade, verdes, maduros, licorosos, com “piquinhos” e sem “piquinhos”.

 

Se a opção for um vinho verde, a escolha deve recair sobre um bem seco.

 

Se preferir um maduro, então deve ser leve, com aromas frutados, sem excessos e boa acidez.

 

Os brancos licorosos são igualmente uma excelente escolha alternativa, neste caso destaque para o Porto, Madeira ou Xerez, desde que secos.

 

Os vinhos brancos doces e encorpados são desaconselhados como aperitivos, ainda assim, se for a sua opção, então devem ser servidos bem frios e com um toque amargo, por exemplo, com água tónica.

 

Não são aconselhados os vinhos muito aromáticos.

 

Espumantes e Champagnes

Os espumantes, brutos ou secos e o Champagne são igualmente excelentes aperitivos, podendo mesmo prolongar-se pela refeição o seu consumo.

 

No próximo artigo daremos alguns exemplos de complementariedade entre os vinhos brancos e os aperitivos.

 

Enquanto aguarda, consulte a nossa gama de vinhos em www.roteirodesabores.pt e nos nossos cabazes de Natal.

QUE VINHOS DEVO SERVIR E EM QUE QUANTIDADE

QUE-VINHOS-DEVO-SERVIR-E-EM-QUE-QUANTIDADE.jpe

 

QUE VINHOS DEVO SERVIR?

 

É frequente questionarmo-nos sobre a diversidade e quantidade de garrafas de vinho que devemos comprar para a realização de um evento, o receio de que falte, leva normalmente à aquisição de mais vinho do que é necessário.

Em regra, devem ser poucos.

 

Ambientes informais

Normalmente, um Porto branco e seco, ou um espumante bruto,ou branco ligeiramente frisante, é o mais adequado. De seguida, não se deve servir mais do que um vinho, normalmente tinto. Servindodois, a regra é servir um branco e um tinto.

 Para ofinal não deve escolher vinhos doces, o carácter informal não proporciona  este tipo de vinhos, mais dados aambientes intimistas.

 

Ambientes festivos

Devem aplicar-se a estes eventos as regras dos ambientes informais, porém havendo lugar a uma festividade o espumante m/seco deve prevalecer sobre o bruto, no finalpara apagar as velas.

 

Ambientes íntimos

Normalmente, o carácter sofisticado da refeição, caso pretenda realçar os dotes e os sabores culinários associados dos anfitriões e dos produtos, propicia a escolha de um só vinho, em regra tinto, porém, há que conhecer os convidados, e reconhecer entre estes a existência, ou não, de um “fundamentalista” de brancos, neste caso, devemos procurar ir de encontro aos seus gostos pessoais, quando conciliáveis com a refeição.

De início, os vinhos jovens são uma boa aposta, com beber fácil. Depois evoluir para um vinho mais velho, ou mais encorpado.

No final, se optar por servir queijos, um vinho do Porto LBV ou um Vintage são a solução adequada.

 

Ambiente de apreciadores

Se existe entre os convivas, um leque de apreciadores, então deve ser servido mais do que um vinho, normalmente dois, permite uma discussão sobre a harmonia do vinho com a refeição, o consumo não é mais elevado, apenas um acréscimo de trabalho logístico, como os copos.

 

E EM QUE QUANTIDADE?

 

Em relação à quantidade de vinhos a servir, existe uma regra, quantos mais vinhos se servem, menos se deve servir de cada um deles.

 

Outra regra tem que ver com a proporcionalidade de convidados versus quantidade de vinho, quantas mais pessoas são convidadas, menos vinhos devem ser adquiridos, normalmente, existem crianças e pessoas que não bebem, o que leva a descer a fasquia do consumo.

 

Em “patuscadas” o número de vinhos bebidos é em regra maior que em ambientes intimistas, 1 garrafa para dois convivas ou mesmo 1 para 1 pode ser frequente, enquanto em ambientes intimistas 1 para 6 ou para 8 é em regra adequado, pode em alguns casos, haver uma proporção de 1 para 4.

 

A água deve estar sempre presente, de preferência fresca.

 

Pode encontrar estes e outros produtos nos nossos Cabazes, consulte-nos em www.roteirodesabores.pt.

O Vinho E Os Momentos Para O Seu Consumo

o-vinho-e-os-seus-momentos.jpg

 

No seguimento do artigo que publicámos sobre o vinho, com algumas dicas sobre o vinho a escolher em função da pessoa que convidamos para a nossa casa, abordamos agora a temática do vinho adequado a outros locais e ambientes.

 

Essencial na opção a tomar, que vinho escolher, é o caracter formal ou informal da ocasião, sem descurar a matéria já abordada dos intervenientes.

 

Locais e Ambientes

Se existe um ambiente formal em espaço fechado, restaurante ou salão, com um serviço de mesa cuidado, o vinho deverá acompanhar este mesmo serviço, ou seja, um vinho com personalidade, e a merecer alguma atenção.

 

Ainda assim, o número de convivas e o motivo da reunião, do evento, deverá ser também levado em conta, se o número de pessoas reunidas é reduzido, está criado um ambiente propício à degustação de um vinho de qualidade, de uma novidade, que por si só permitirá a partilha de sensibilidades e apresentação de críticas, sejam estas positivas ou ao invés negativas.

 

Se, no entanto, o evento resulta na reunião de muitas pessoas, normalmente, o ambiente não se torna tão propicio à partilha de sensibilidades mas antes ao desfrutar do momento, ao convívio entre as pessoas, nestes casos, batizados, casamentos e/ou outras festividades, como aniversários, deverá ser escolhido um vinho simples, que “case” bem com a comida, sem ter pretensões a ser a estrela da mesa.

 

Não Deixar Os Seus Créditos Por Mãos Alheias

Ainda assim, em casos muito especiais, se o anfitrião é conhecedor do meio e assim reconhecido, não deverá deixar os seus créditos por mãos alheias, é provável que os convidados estejam focados na apresentação de uma surpresa ou na expetativa de provarem algum dos néctares já, bem, afamado por este.

 

Escolher Em Função Do Prato

Se o ambiente for mais informal, então o vinho deverá ser escolhido em função do prato, da temperatura ambiente, se é uma refeição volante ou se convida a comer “à mão”, é aconselhável que seja eventualmente um vinho fresco, simples e fácil de beber.

 

Se o prato consistir num churrasco, um vinho tinto simples mas com corpo deverá ser adequado, servido a uma temperatura aproximada de 16º.

 

Se for, por exemplo, uma sardinhada, um vinho branco, ligeiro, fresco, de pouco grau, fácil de beber, é o adequado, ou então, boas alternativas, como um rosé seco ou verde branco servidos qualquer um deles bem fresco. Para os convidados mais renitentes a brancos e/ou rosés um tinto ligeiro de boa acidez cumpre bem o seu papel.

 

Já sabe que pode encontrar uma óptima selecção de vinhos no nosso website assim como a possibilidade de o incluir num Cabaz de Natal ou oferta, ou criar um novo.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D